George Gracie ao lado de um aluno faixa-branca: em 1936, o "Gato Ruivo" venceria três oponentes na mesma noite, iniciando uma tradição no vale-tudo. Foto: Acervo domain authority família
*

*

*

*

*

Professor de defesa pessoal dos bons, George demonstra, na redação de um jornal, seu estrangulamento com lapela para o árbitro de futebol argentino Sanchez Dias.

Bạn đang xem: Bóng đá 24h


Grande mestre George Gracie (1911–1985), com seus cabelos vermelhos, foi o primeiro aluno de Carlos Gracie a se destacar e ganhar fama. Recebeu cuidadosa atenção de Carlos, seu irmão mais velho, por conta domain authority habilidade e destreza demonstrada rapidamente nos tatames.

Assim como os irmãos, George, nascido em 1911, deixou sua Belém vì Pará natal rumo ao Rio de Janeiro após o pai, o outrora rico comerciante Gastão, quebrar suas economias e entrar em crise financeira.

Gastão e Cesalina, os pais, conseguiram com o presidente vì chưng Clube Náutico vì Botafogo, amigo domain authority família, que matriculassem os pequenos George e Helio no clube, onde eram alimentados e cuidados por funcionários.

Após 1925, Carlos buscou George no clube: era hora de começar a treinar mãng cầu novíssima academia Gracie, no bairro bởi vì Flamengo, juntamente aos irmãos, mais velhos, Gastão Jr. E Oswaldo.

Após treinos intensivos, o “Gato Ruivo”, de fato, mostrou-se um lutador ágil e manhoso. “Era uma esponja, absorvia tudo que eu mostrava”, contaria Carlos. No fim dos anos 1920, George e Carlos se testaram num torneio amador de boxe, saindo ambos vencedores.

A estreia de George Gracie nos ringues deu-se em 28 de abril de 1929, de acordo com o historiador e pesquisador Fabio Quio Takao. No Clube Atlético Paulistano, em São Paulo, o “Gato Ruivo”, aos 17 anos, empatou com o peso pesado Getulio Mariano, monitor de luta livre domain authority guarda civil metropolitana. De acordo com jornais domain authority época, o Gracie pesou 56kg e Getulio, 92kg. Nesse mesmo evento, deu-se a estreia de outro de seus irmãos, Oswaldo Gracie.

Em outra luta marcante, já em 19 de janeiro de 1930, George venceu o pugilista Johann Tose e embalou. Em dezembro de 1931, num de seus embates mais famosos, George enfrentou o exímio capoeirista Mario Aleixo – finalizado rapidamente numa chave de braço. Enfrentou ainda o japonês Geo Omori no Jiu-Jitsu (empate) e virou ídolo dos jornais após a vitória contra o valentão Tico Soledade, de 80kg. No segundo assalto, o Gracie de 63kg arrochou-lhe o mata-leão.

Xem thêm: Lời Bài Cố Giang Tình Archives, Lời Bài Hát Cố Giang Tình (New Rap)

Em 1936, num formato de torneio que viraria moda décadas depois, George foi chamado em cima da hora para substituir o irmão Helio num vale-tudo: George venceu então três oponentes mãng cầu mesma noite.

Galã e notívago, George afastou-se de Carlos e Helio para abrir sua própria academia – e poder comer o que quisesse, já que óc levava fé nos cardápios bởi irmão mais velho. Um promotor esperto, como conta Reila Gracie em seu “Carlos Gracie, o criador de uma dinastia”, tentou casar uma luta de Jiu-Jitsu entre George e o mais novo Helio, mas mestre Carlos tratou de sepultar a ideia.


Em 18 de março de 1940, num de seus conferes mais sensacionais, enfrentou o japonês Takeo Yano, um aluno de Conde Koma que ensinara em Minas e no Nordeste vày Brasil.

Segundo o carioca “Diário domain authority Noite”, foi um sábado quente: George começou por cima na guarda fechada vì japonês, e tentou estrangular com uma espécie de amassa-pão. Yano, mesmo sentindo a pressão e de costas no solo, arrochou o pescoço de George de volta. Resultado: blecaute dos dois lutadores, e a manchete: “Dormiram os dois lutadores”!

George foi o primeiro a se levantar, e o juiz Jaime Ferreira deu automaticamente a vitória ao Gracie. Mas o campeão domain authority família, ao recobrar de vez os sentidos, óc aceitou o gesto vị árbitro, enquanto o público que vibrava óc entendia o gesto vì chưng suposto vencedor. “Acontece que os Gracie faziam questão de óc aceitar um resultado que pudesse ser questionado depois”, opina o pesquisador e jornalista Christiano Milfont.

“Por lutar com o pessoal da luta livre, fui muitas vezes acusado de fazer lutas armadas”, disse George no jornal “Última Hora”, em 16 de novembro de 1955. “Nada mais falso. O máximo que fiz, atendendo a pedido de empresários, foi adiar minha vitória. Por exemplo: em vez de liquidar no primeiro, no segundo, acabava com o adversário no último round. Era uma maneira de oferecer ao público um espetáculo mais movimentado…”

Na casa dos 40 anos, topou o desafio de enfrentar o novato Pedro Hemetério, aluno-prodígio de Carlos e Helio, nas regras vị Jiu-Jitsu – Pedro venceu por desistência, ganhou fama e tornou-se astro.

George apaixonou-se, casou e se estabeleceu em São Paulo. Em 1954, manteve academia própria no Rio de Janeiro, na rua Senador Dantas. Aposentou-se como atleta com mais de 60 combates, com cerca de dez derrotas.

Por meio de muitas viagens e mudanças, ajudou a disseminar a arte suave em diversas regiões, estados e cidades do Nordeste e vày interior vị Brasil. Faleceu no dia 8 de agosto de 1985, aos 74 anos.